quarta-feira, 1 de junho de 2011

URGENTE: Abra só até 03 de junho


Poucas vezes recorri às listas de e-mail pedindo ajuda. Sempre faço o q posso, muitas vezes o q não posso e tem situações onde faço o impossível. Mas dessa vez está fora do meu alcance.
Quem nos conhece sabe da história e da nossa luta pelos abandonados em Cubatão (e em qualquer lugar onde a gente consiga chegar). Um exemplo de resultados é o número de castrados, que passou de 1300 animais em 1 ano e meio de atividade, sempre a baixo custo. Outro exemplo de resultado é o número de resgates e adoções, que passou dos 150 (todos castrados, vacinados e vermifugados) no mesmo período.
Mas dessa vez é diferente. Estou realmente desesperada.
O cachorro da foto é o Omelete. Ele deve ter no máximo 1 ano e foi abandonado com a saída das famílias das áreas de risco em Cubatão. Ele ficava na obra dos predinhos para onde essas famílias vão se mudar.
Quando chegou na emergência da clínica, o histórico era "ele caiu dentro de uma betoneira". Compatível, já que ele estava todo cimentado. No dia seguinte, o histórico foi diferente: "ele prendeu a pata na engrenagem da betoneira". Como se não bastasse, mudou de novo, dessa vez com informações mais concretas, dos operários da obra. Ele foi atropelado pela pá (ou gancho, sei lá como chama) de uma retroescavadeira. Cômico se não fosse trágico.
Mas o que importa é que ele foi atendido. Perdeu toda a pele da pata da frente e tava com um rombo na região das costelas. Sem contar uma evidente fratura de rádio e ulna. Ele estava atordoado de dor e muito assustado. Perdeu muito sangue. Ele foi anestesiado, dei banho, examinei com mais cuidado e limpei todas as feridas. Imobilizei a fratura e descobri uma outra fratura no fêmur.
Como não tinha dono, a pessoa q o resgatou arriscou seu emprego e manteve o Omelete dentro de sua sala na empresa. Assumiu as despesas sem poder e agora levou ele pra casa. O problema começa aí. Ela mora de favor e a dona da casa deu prazo para ela retirar o cachorro, até dia 3, 6a feira. O cachorro não pode voltar para a obra, nem para a empresa. Minha clínica é enorme, mas não tenho estrutura para abrigá-lo. Os outros resgatados com certeza matariam o Omelete. Sem contar que não dá pra colocar ele na terra com aquela pata toda aberta.
Mas não pára por aí. Ainda há a questão financeira.
Não faço cirurgias ortopédicas e consegui que um veterinário de uma ong daqui faça. Mas precisamos pagar o material. Das duas fraturas, provavelmente o custo será de 500 a 600 reais. O que é "de graça" perto do que se paga em uma cirurgia ortopédica.
*parei para reler o texto e vi que já me incluí no problema "precisamos"

Enfim.... o Omelete não tem opção: faltam recursos financeiros para a cirurgia e falta quem possa cuidar dele.
O pós operatório pode ser na minha clínica, onde ele ficaria dentro de uma gaiola de 60 x 60cm, mas por poucos dias. É o q posso oferecer.
Estou terminando esse e-mail aos prantos, pq se não conseguirmos, ele será eutanasiado na 6a feira, dia 3 de junho de 2011.
É frustrante pra mim, como veterinária, não conseguir ajudar o Omelete.

Peço a Deus que entregue esse e-mail às pessoas certas, que poderão fazer alguma coisa por ele. Pq o q me resta é colocar nas mãos de Deus.

Obrigada

MV Paula Rezende
CRMV 14.760
vethc@hotmail.com

3 comentários:

Grazy Styllo disse...

nossa que triste tenho muita dó de animais , eu tambem resgatava animais(gatos) nas ruas da cidade onde moro, sinto muito nao poder ajudar , torço pra que vc consiga alguem que possa ajuda-lo , boa sorte

crica disse...

só vi hj esse texto no site, espero q não seja tarde... não posso ajudar com dinheiro, to com meu cachorro doente também em tratamento. Mas poste no meu facebook, pra quem puder ajudar entrar em contato com vc. Abraços fica com Deus.

Regina disse...

Nossa fiquei triste adoro animais estou desesperada com o meu cão do nada ele parou de andar pois esta com reumatismo boa sorte para esse cão.